Buscar
  • Mandato Agroecológico

CRISE SANITÁRIA e CRISE HÍDRICA



A Lagoa do Peri pede socorro, seu nível está muito baixo, a estiagem está severa e a utilização da água para consumo humano não pára.

Vários riscos e consequências podem afetar diretamente este fundamental ecossistema, como a mudança de vegetação nas áreas secas, a mortalidade da vida aquática que altera a dinâmica ecológica, a morte do Rio Sangradouro, salinização por diminuição da diferença de potencial entre a água doce e a cunha salina, aumento de cianobactérias e outros organismos tóxicos.


Não podemos permitir este nível extremo de exploração deste ambiente que é tão importante para a manutenção da vida e o equilibro ambiental.

Precisamos tratar da Lagoa do Peri para além de um reservatório de água com a finalidade de abastecimento humano, a Lagoa do Peri é um ecossistema, é uma Unidade de Conservação e é interindependente de toda dinâmica hidrológica da Ilha de Santa Catarina.

Todas as áreas de baixadas e planícies na cidade funcionam como importantes áreas de recarga d'água. Isso remete a vários outros ecossistemas que estão em colapso neste momento como a Lagoa da Chica, a Lagoa no Balneário dos Açores, várias nascentes e córregos nos morros do sul, norte e centro da ilha, portanto estamos numa crise hídrico-sanitária.


Sendo a água um fundamental elemento para sustentar as vidas, ressalto que a cidade de Florianópolis não produz água suficiente para todas as suas atividades, portanto não tem capacidade de suporte para o abastecimento de água. A maior proporção de água que nos abastece é oriunda de municípios vizinhos localizados no continente. Atualmente a Lagoa do Peri abastece mais de 100 mil pessoas no sul e leste da ilha, desta maneira todo o crescimento da cidade de Florianópolis precisa ser repensado, não temos capacidade de suporte para tal modelo.


A cidade precisa de um período de defeso e cessar seu crescimento para uma reorganização. Todo o sistema de saneamento para além do abastecimento de água precisa ser rediscutido e definido sob a ótica da ciclagem,produção de insumo e reuso.

Os sistemas de tratamento de esgoto precisam ser descentralizados para o reuso das águas tratadas e a produção de fertilizantes para os solos, não podemos admitir sistemas gigantescos e caros de tratamento que desperdicem água e fertilizantes despejando e contaminando córregos, lençol freático, rios e o mar.

Precisamos que as residências instalem sistemas de coleta da água da chuva, necessitamos de jardins filtrantes nas vias publicas aliados as drenagens da cidade. O manejo das águas refazendo os ciclos é urgente.


Por fim, faço um chamamento para que todas as pessoas redefinam seus usos e consumo de água, é tempo de repensar, instalem banheiros secos, coleta da água da chuva, sistemas de reusos das águas de lavação das pias e chuveiros. Economizem e percebam que somos partes de um mesmo ecossistema onde todas as vidas importam sim.

Não podemos matar a Lagoa do Peri, aquele lugar é um santuário, é a maior lagoa de água doce potável do litoral catarinense, é magica, é sagrada!!


Enquanto parlamentar e presidente das Frentes Parlamentares de Saneamento Básico e Unidades de Conservação protocolamos ontem 02 requerimentos solicitando providências para o Prefeito de Florianópolis, também estamos apoiando as ações de conselheiros do Conselho Municipal de Saneamento Básico, estaremos oficializando ao Ministério Publico Estadual e o Ministério Publico de Contas.


Estamos exigindo as análises de toxinas exaladas por cianobactérias na Estação de Tratamento de Água da Lagoa do Peri, o cumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta referente ao Rio Sangradouro e por fim, estamos em dialogo com a CASAN para ampliar o abastecimento oriundo dos mananciais do continente para as áreas do sul e leste da ilha, diminuindo ou parando a exploração de água da Lagoa do Peri, pelo menos até a estiagem terminar.


Um forte abraço por Ecologia e Justiça Social


📷 Sérgio Aspar e Carol Caroxa


Marcos José de Abreu (Marquito) Engenheiro Agrônomo e Mestre em Agroecossistemas Vereador Mandato Agroecológico PSOL Presidente da Frente Parlamentar em Prol do Saneamento Presidente da Frente Parlamentar em prol das Unidades de Conservação

0 visualização

"Por um mundo onde caibam vários mundos, onde todos os seres (humanos e não humanos) possam desfrutar de uma vida digna." 

CONTATO >

T: (48) 3027-5812

E: marquitopsol@gmail.com

© 2023 por Mandato Agroecológico.